quarta-feira, Abril 23, 2014

COM OS OLHOS POSTOS NO HAMAS, O PRESIDENTE DA AUTORIDADE PALESTINIANA ESTABELECE CONDIÇÕES PARA CONTINUAR AS CONVERSAÇÕES COM ISRAEL

Falando a um grupo de jornalistas israelitas em Ramalá, o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, estabeleceu 3 condições para o prosseguimento das conversações de paz com Israel:
1 - a libertação da quarta e última tranche de presos palestinianos (terroristas) detidos em prisões israelitas e a não deportação de nenhum deles;
2 - o congelamento de todas as construções nos assentamentos judaicos;
3 - que os primeiros 3 meses das conversações sejam dedicados à discussão das fronteiras de um futuro estado palestiniano.
Mahmoud Abbas comunicou aos jornalistas ali presentes a sua disponibilidade para prosseguir as conversações depois do prazo limite da próxima Terça-Feira: "Estamos sempre dialogando e continuaremos a fazê-lo. Convocaremos estas "conversações preparatórias" para continuarmos as negociações" - declarou Abbas.
E o líder palestiniano acrescentou: "Os americanos pediram-nos para estendermos as conversações por mais nove meses, e nós concordámos, na condição de delinearmos as fronteiras finais de um estado palestiniano. Se os israelitas realmente acreditam numa solução dois-estados, sentemo-nos então à mesa das conversações e vejamos onde estão as fronteiras de Israel. Determinemos onde estão as fronteiras de Israel e as de um futuro estado palestiniano."
Dirigindo-se ao público israelita, Abbas afirmou: "Nós queremos a paz, mas não nos humilhem, porque as coisas podem acabar por ficar fora de controle."
Abbas afirmou ainda que não tenciona desmantelar a Autoridade Palestiniana, mas avisou mesmo assim que tal poderá vir a acontecer como resultado das políticas de Israel.

ISRAEL REJEITA AS EXIGÊNCIAS PALESTINIANAS
Pouco depois desta reunião, as autoridades de Jerusalém comunicaram a sua rejeição às condições estabelecidas por Abbas:
1º - rejeitada a exigência de não construir em Jerusalém, ainda que, ao sublinharem Jerusalém, isso possa indicar disponibilidade para suspender as construções na Margem Ocidental;
2º - em relação à libertação dos prisioneiros palestinianos, segundo indicações da Shin Bet (agência de segurança de Israel), os prisioneiros devem ser deportados para a Faixa de Gaza ou para outros países;
3º - sobre a discussão única sobre o estabelecimento das fronteiras, Israel lembrou que nunca concordou em discutir esse assunto separadamente do conjunto de todas as outras questões.

Uma fonte informativa no gabinete do primeiro-ministro afirmou que a linha de fundo das declarações de Abbas demonstra que ele não está interessado na paz: "Quem está interessado na paz não vem constantemente apresentar condições que sabe que Israel não pode aceitar."
"Abu Mazen (Abbas) quer receber sem entregar, e vai continuar a fazê-lo até que a comunidade internacional exija que ele demonstre seriedade nas conversações e uma disponibilidade para avançar."

RECONCILIAÇÃO ENTRE O HAMAS E A FATAH
Em relação a esta reconciliação entre os dois grupos terroristas palestinianos, esta fonte israelita comentou que paralelamente às declarações de Abbas sobre a paz: "ele (Abbas) está mantendo conversações com o Hamas, que é no mundo inteiro conhecido como uma organização terrorista que apela à destruição de Israel e à matança de judeus."

Que mais se pode esperar dos líderes palestinianos?

Shalom, Israel!


terça-feira, Abril 22, 2014

NETANYAHU AOS PALESTINIANOS: "QUANDO QUISEREM A PAZ, DIGAM-NOS"...

Face às ameaças do desmantelamento da Autoridade Palestiniana e futura ligação ao Hamas, o primeiro-ministro de Israel coloca sob suspeita as reais intenções dos palestinianos, afirmando que isso só indica uma falta de interesse pela paz.
"Vimos hoje a Autoridade Palestiniana a falar sobre auto-desmantelar-se e juntar-se ao Hamas. Eles têm de decidir, se se vão dissolver, ou se vão buscar a unidade com o Hamas. Quando quiserem a paz, façam-nos saber. Porque nós queremos uma paz genuína" - afirmou Netanyahu.

NEGAÇÃO PALESTINIANA
Responsáveis da Autoridade Palestiniana presentes em Ramalá negaram entretanto que haja ameaças de dissolução da Autoridade Palestiniana caso falhem as conversações de paz com Israel.
Mas, apesar desta negação, os rumores persistem de que o presidente da AP, Mahmoud Abbas, tinha nos últimos dias vociferado esta ameaça.
No próximo dia 29 de Abril termina o prazo estabelecido para as negociações para a paz, não se sabendo como as coisas irão prosseguir, devido ao impasse criado pelos palestinianos que, como lhes é habitual, sempre rejeitam todas as propostas israelitas.
Para os Estados Unidos a ameaça do desmantelamento da AP é algo que, a concretizar-se, traria graves consequências para todo o processo e para o futuro da região.
E, como lhes é característico, os palestinianos já acusam Israel de estar a inventar esta dissolução da AP para criar um terreno propício aos seus avanços no terreno, dando como exemplo a construção de novas habitações na Judeia e Samaria.

Shalom, Israel!

segunda-feira, Abril 21, 2014

ISRAEL RETALIA ATAQUES DE GAZA

Os brutais inimigos de Israel têm tradicionalmente mostrado uma especial preferência pelos ataques ao estado judaico em plenas festas do povo judeu. Talvez pensem que a valorização do sagrado impeça os judeus de estarem atentos às constantes e malvadas tentativas inimigas de destruir Israel. Só que Israel nunca dorme...não pode.

SETE ROCKETS DISPARADOS ESTA MANHÃ DESDE GAZA CONTRA O SUL DE ISRAEL
O silêncio e tranquilidade provocados pelos feriados religiosos da Páscoa judaica foram abruptamente interrompidos esta manhã com o disparo de sete rockets contra o sul do país, tendo um deles caído numa rua, perto de uma supermercado e de uma sinagoga, em plena zona residencial de Sderot, a já considerada "cidade-mártir." As autoridades estavam há pouco procurando um outro rocket que caiu em pleno campo, perto da mesma cidade de Sderot.
Desde o início do ano que os terroristas palestinianos da Faixa de Gaza já dispararam 100 rockets contra o território do sul de Israel.
Às 7 desta manhã um outro rocket RPG foi disparado por uma célula terrorista da Faixa de Gaza contra um grupo de soldados israelitas que faziam uma patrulha de rotina em veículos armados junto à fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza, não causando no entanto quaisquer ferimentos nos soldados israelitas.

RETALIAÇÃO ISRAELITA
No início desta tarde a Força Aérea de Israel atacou 3 bases terroristas na Faixa de Gaza, em resposta ao ataque desta manhã. 
Segundo o relatório há pouco divulgado, os alvos foram atingidos e os aviões regressaram em segurança às suas bases.
Segundo os palestinianos, o número de alvos atingidos por Israel foram 4, tendo alegadamente ficado ferido um guarda de segurança palestiniano, tendo outros 3 sofrido ferimentos leves. 
O porta-voz das Forças de Defesa de Israel, Peter Lerner, fez o seguinte comunicado oficial: "Civis israelitas que celebravam os feriados das Festas da Páscoa acordaram esta manhã ao som dos alarmes 'código vermelho' e de rockets. É nossa obrigação procurar e atingir quem quer atacar os nossos civis e os nossos militares, e eliminar as suas capacidades. O terrorismo de rockets do Hamas é uma realidade intolerável que os israelitas não devem ter de aceitar."
Helicópteros da Força Aérea de Israel também dispararam salvas de aviso para áreas do Norte da Faixa de Gaza de onde se suspeita que os rockets tenham sido disparados.

Shalom, Israel!

sábado, Abril 19, 2014

AUMENTA EM 100% O NÚMERO DE JUDEUS BRASILEIROS QUE FAZEM ALIYAH PARA ISRAEL


Desde o início do ano que 87 brasileiros já fizeram retorno "Aliyah" a Israel. O Ministério israelita para a Imigração e Absorção registou que este número significa um aumento de mais de 100% em relação aos que trocam a terra do samba e do futebol pela Terra que mana leite e mel, ainda que se calcule em 95.000 o número actual de judeus vivendo no Brasil.
"Os judeus brasileiros olham para Israel e veem uma ilha de estabilidade económica, com uma vasta gama de oportunidades de vida e de negócios, para já não mencionar a semelhança do clima" - afirmou Sofa Landver, do Ministério da Imigração e Absorção.
Um exemplo de um novo imigrante brasileiro em Israel é Fernando Silva, de 23 anos. Fernando estabeleceu-se no kibbutz Mishmar HaSharon após tê-lo conhecido durante uma visita no ano passado, como turista, decidindo então que o kibbutz e Israel seriam o seu futuro de vida.
"No Brasil há muita violência. Você pode ser roubado a qualquer momento no meio da rua, sem razão nenhuma. Isso nunca pode acontecer aqui. Aqui é seguro. Sinto-me mesmo bem em Israel" - afirmou Fernando Silva.
Risa Borsztein, com 22 anos, também visitou Israel no ano passado e apaixonou-se pelo país antes mesmo de decidir mudar-se para lá.
"Eu não era feliz no Brasil" - explica Risa, acrescentando: "Sonhava em trabalhar num hotel em Jerusalém e estar próxima à religião judaica. Quando visitei Israel no ano passado senti-me bem viva. Percebi então que não queria mais estar no Brasil e que era aqui que eu pertencia e não lá - próxima da minha religião e da minha cultura."
Risa realizou o seu sonho e após mudar-se para Israel, começou a trabalhar num prestigiado hotel em Jerusalém...

Shalom, Israel!

sexta-feira, Abril 18, 2014

MILHARES DE CRISTÃOS CELEBRAM A SEXTA-FEIRA SANTA EM JERUSALÉM

Jerusalém, a Capital eterna de Israel, está mais uma vez repleta de peregrinos, desta vez cristãos. 
Ontem foram os judeus que acorreram às dezenas de milhares junto ao Muro. Hoje são os cristãos católicos que enchem as ruas e vielas da "Via Dolorosa" até ao "Santo Sepulcro", onde tentam visitar o suposto túmulo de Jesus.
PEREGRINAS ETÍOPES BEIJANDO O LUGAR SAGRADO
Segundo a tradição Jesus teria sido crucificado numa sexta-feira, ainda que haja muito debate sobre o dia exacto. A Igreja Católica Romana decidiu há séculos adoptar este dia como o dia da crucificação do Messias, chamando-lhe "sexta-feira santa", que muito evangélicos também decidiram adoptar, ainda que não questionando a verdadeira origem da data.
Muitos católicos caminharam hoje pela Via Dolorosa carregando uma cruz às costas, numa fútil tentativa de identificação com os sofrimentos de Cristo, enchendo as ruelas da Cidade velha e alegrando os olhos e as carteiras dos muitos comerciantes árabes que ali aguardam melhorar os seus negócios.
São 14 as estações desta caminhada, desaguando na Igreja do Santo Sepulcro, uma das mais antigas de todo o Médio Oriente, e onde muito alegam ter sido o local da crucificação e ressurreição de Jesus.
Neste ano, as festas judaicas da Páscoa e a festa cristã da morte e ressurreição de Jesus são quase coincidentes. Em Maio deste ano, também Francisco I, chefe supremo dos católicos romanos estará visitando a "Terra Santa", incluindo nessa visita a Jordânia, Jerusalém e Belém.
O acesso ao Monte do Templo foi entretanto fechado pelas autoridades israelitas, com receio de provocações e violência provocada pelos palestinianos.
Shalom, Israel!

quinta-feira, Abril 17, 2014

MILHARES DE JUDEUS CONCORREM AO MURO PARA RECEBEREM A "BÊNÇÃO SACERDOTAL"

Apesar das recentes tensões no Monte do Templo, dezenas de milhar de judeus acorreram ao lugar mais sagrado e simbólico para o judaísmo actual: o Muro Ocidental, conhecido também como "Muro das Lamentações". As medidas de segurança na Cidade de Jerusalém são muitas, mas não impediram a concorrência de muitos milhares de judeus ao Muro, esta manhã, muitos deles aproveitando a estadia para a celebração das Festas da Páscoa.
A multidão que ali se concentrou esta manhã é composta em grande maioria por judeus ortodoxos, conservadores, religiosos, não-religiosos e até alguns turistas, e juntou-se para receber a tradicional bênção sacerdotal - Birkat Kohanim.
Esta bênção é uma oração judaica recitada pelos coatitas - descendentes em linha directa da tribo de Levi - normalmente realizada durante a semana da Páscoa judaica - Chol HaMoed Pesach.
Centenas de coatitas ficaram voltados para a imensa multidão concentrada esta manhã junto ao Muro e, cobrindo as suas cabeças com o xaile de oração, recitaram a bênção bíblica: "O Senhor (YHWH) te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o Seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o Seu rosto, e te dê a paz."
No final desta oração os coatitas também abençoam os peregrinos que visitam Jerusalém.
Shalom, Israel!

quarta-feira, Abril 16, 2014

MONTE DO TEMPLO ENCERRADO APÓS INCIDENTES

Dezenas de jovens árabes mascarados atiraram esta manhã pedras e explosivos contra as forças de segurança israelitas no Monte do Templo, tendo causado ferimentos num dos polícias israelitas na Cidade velha.
As forças de segurança tiveram de dispersar os provocadores árabes através do uso de granadas paralisantes.
O recinto tinha sido aberto aos visitantes, como habitual, mas teve de ser logo encerrado devido à violência provocada pelos arruaceiros árabes.
Os provocadores foram dispersos depois do uso das granadas paralisantes e de outras medidas de controle de segurança. 
Em outra partes da Cidade velha jovens arruaceiros árabes provocaram também desacatos, atirando pedras contra polícias israelitas numa pequena rua, acabando por ferir um dos elementos da segurança de Israel.
Estes últimos dias têm testemunhado vários confrontos entre jovens árabes e a polícia israelita no Monte do Templo, levando a que as forças de segurança impeçam a subida dos jovens árabes ao recinto.
Os media palestinianos alegam que 25 jovens foram feridos nos incidentes e que um dos guardas à porta das mesquitas foi detido. Os jovens palestinianos terão sido feridos com balas de borracha, tendo-se posteriormente refugiado dentro da mesquita de al Aqsa com receio de serem detidos à saída do recinto. A polícia terá declarado o sítio como zona militar fechada, tendo selado a porta de Mughrabi na Cidade velha.

CINCO JUDEUS DETIDOS NO MONTE DO TEMPLO
Na segunda-feira passada as autoridades israelitas detiveram 5 activistas judeus que pretendiam oferecer o sacrifício de um bode no Monte do Templo, cumprindo o ritual da Páscoa judaica. A polícia israelita acredita que a intenção dos activistas era criar confusão e boicotar o processo de paz, acabando por entregar o animal às autoridades veterinárias.

Shalom, Israel!